Professor: 4 formas de melhorar a relação com os alunos

Antes de mais nada é preciso que o professor considere que existem muitas diferentes realidades de ensino, ou seja, condições práticas de desenvolver o processo educacional dentro de uma escola.

As escolas, bairros, cidades, têm situações diferentes e peculiares e isso é sabido por todos, em especial pelos professores. Se formos considerar as centenas de possibilidades estruturais que se apresentam, nunca poderíamos escrever nada sobre educação, pois cada texto deveria dizer que trata dessa ou daquela realidade, de um ou outro bairro, e assim por diante.

Por outro lado, podemos refletir sobre a educação, o que ela de fato é, o que representa ou pode representar, de que forma os profissionais da educação podem atuar, em especial os professores.

Para isso consideramos fundamentais duas reflexões: “o que é educar”? e “qual o papel do professor”. É impossível tratar da educação pensando nas condições das escolas, dos conflitos com os governantes ou com o patrão, com o (des)interesse dos alunos. Fosse assim, cada um de nós professores estaríamos em casa.

A educação está associada à transformação. Os alunos são transformados no processo educacional, mas em qual direção? Quem define o que eles devem ser? O Estado?, os professores? Ou os próprios estudantes?
O professor é o agente transformador ou uma ferramenta de transformação?
Em princípio a ideia de ferramenta parece estranha, associada a um instrumento de trabalho que alguém manipula e isso é a última coisa que um professor gostaria de ser, manipulado. Por outro lado, a ideia de ferramenta pode parecer mais democrática, na medida em que colocamos nosso conhecimento e principalmente nossa liderança a disposição dos demais e possibilitamos que cada aluno possa escolher de que maneira essas nossas características possam transformar suas vidas.

Posto isso devemos nos perguntar: o quanto minhas aulas e minhas atitudes em sala de aula transformam a vida dos jovens?

Para responder tal questão levantaria duas outras: qual a real importância do conteúdo ensinado? Qual o grau de importância que nossas atitudes pessoais têm para os estudantes?

E por último, o quanto eu tenho me transformado nos últimos anos ou pretendo me transformar nos próximos?

Enquanto governo e patrões não melhoram as condições de ensino, podemos:

1 – Valorizar o diálogo

Demonstre ser uma pessoa aberta ao diálogo dentro da sala de aula. Sempre converse com os alunos sobre sua metodologia, sua postura e como espera que eles se portem. Busque sempre entender os problemas gerais da turma, bem como os individuais de cada estudante. Dessa forma, você aumentará a confiança que eles sentem por você e, assim, construirá uma relação muito melhor com cada um deles.

2 – Mostrar respeito

É importante que tanto professores como alunos sejam respeitados da mesma maneira dentro da sala de aula. Por isso, deixe bem claro suas expectativas de que será respeitado dentro da sala de aula. Além disso, trate os estudantes da mesma forma como espera que o tratem de volta. Ao estabelecer essa relação de respeito mútuo, o convívio na sala de aula torna-se melhor, além de haver um aumento na confiança.

3 – Dar espaço para feedbacks

Sempre que possível, dê feedbacks aos alunos sobre o rendimento deles nas provas e em sala de aula, visando a melhora do aprendizado. Além disso, deixe claro que eles podem fazer o mesmo, falando para você quais os pontos positivos e os negativos da sua aula, aproximando as expectativas dos alunos sob a disciplina e o que acontece de fato.

4 – Estabelecer uma relação de igualdade

Não adote uma postura de superioridade em relação aos alunos. Quanto mais disposto você se mostrar a ensinar e aprender, melhor será a convivência com a turma. Além disso, admita seus erros, porque isso poderá fazer com que os estudantes se aproximem de você.

motivacao e excelencia pessoal