História de Professor – a origem

HISTÓRIA DE PROFESSOR

É difícil perceber em que momento decidi ser professor, mas ao longo de minha vida, algumas passagens foram fundamentais para que eu chegasse a essa condição.

Um dos marcos iniciais para essa escolha, foram as minhas aulas de Estudos Sociais no ginásio. Eu estudava em uma escola municipal em São Paulo, chamada Marechal Deodoro, no bairro do Caxingui, entre os anos de 1973 e 1976, época da ditadura militar, que retirou do currículo escolar as matérias de História, Geografia e Filosofia e instituiu a disciplina de Estudos Sociais.

Minha professora chamava-se Dona Zélia e trabalhou com nossa turma durante esses 4 anos. Formada em História, suas aulas de Estudos Sociais tratavam essencialmente da História e eram aulas maravilhosas, que prendiam a atenção, pois exigiam a participação dos alunos, algo que se tornava incomum no país, época da “ditadura escancarada”, uma aula em que se podia opinar, perguntar, interpretar, discutir.
Claro, tudo isso dentro da sala de aula onde nós alunos, naquele momento, não sabíamos o que significava uma ditadura e a falta de liberdade. Era uma época em que os garotos de minha idade pensavam em jogar bola – leia-se futebol – e brincar.

As aulas baseavam-se em textos mimeografados, com aquele cheiro peculiar de álcool (hoje em dia muitos tem impressora em casa) e num trabalho de análise.

Distribuído o texto para cada aluno, alguns faziam a leitura de cada parágrafo. No começo ninguém queria ler e a professora é que fazia a escolha, com o tempo passou a existir uma disputa pra vem que leria cada um dos parágrafos.

Depois de uma leitura geral, fazíamos uma segunda leitura, dessa vez grifando palavras ou termos que não conhecíamos. O terceiro momento era a vez da D. Zélia, explicando o sentido das palavras, tanto do ponto de vista gramatical, quanto do ponto de vista histórico e por último, tínhamos uma aula expositiva sobre o texto e o momento histórico no qual ele se inseria.

Assim começou minha paixão pela História.
Na imagem, minha colação de grau da 8a. série. Meu último momento com D. Zélia; nunca mais a vi.
Minha Eterna Gratidão !!!

 

  • Gabriela Pagliuca

    Inspirador, Recco! Gratidão por compartilhar 🙂 seu site tá fera! Sucesso!!!