ENEM 2017 – muda ou não muda?

Um número significativo de estudantes já se planeja para o próximo Exame Nacional do Ensino Médio. Isso se deve ao fato de que, para milhões de jovens, o ENEM é a grande e, muitas vezes, a única oportunidade de acesso à Universidade e, portanto, para esses jovens, desde os dias 5 e 6 de novembro, quando da realização das provas de 2016, esse ano letivo ou, esse ano de vestibulares, já se encerrou.

Nas grandes cidades e nos grandes cursinhos pré vestibular ainda se pensa nos exames das Universidades Estaduais e de algumas particulares, no entanto, apesar de ser a realidade mais visível, não é a realidade da maioria.

É interessante notar como as reportagens de diversos jornais e portais de notícias refletem principalmente a realidade das metrópoles e, em particular, de um grupo de estudantes, de classe média e acima, que frequentam os cursinhos e, ao mesmo tempo, não conseguem – ou não querem – fazer uma análise da realidade da maioria dos estudantes, aqueles de baixa renda, aqueles da escola pública, da periferia, aqueles que tem no ENEM uma grande chance de mudar suas vidas e, do ponto de vista da educação, a única chance.

Para esses estudantes, a perspectiva de mudança do ENEM toca exatamente no ponto que representa a grande chance de mudar de vida, ingressar na Universidade Pública ou se utilizar, e trás, não apenas um suspense – o que será que mudará no ENEM desse ano de 2017 ? – mas um grande medo. Podem se alterar as chances de ingresso e a perspectiva é que podem diminuir as chances de ingresso. Daí a apreensão.

Envolvido em questões políticas polêmicas variadas, o novo governo evita deixar claro sua política para o ENEM, como forma de não criar mais um setor de atrito com a sociedade, em especial com essa juventude que sonha com algo melhor para sua vida.

As declarações de dirigentes do MEC e do INEP (que é o órgão responsável pelo ENEM) sugerem mudanças graduais, mas que devem acompanhar as mudanças pretendidas para o ensino médio. Até o momento temos que não existirão grandes mudanças do ponto de vista do conteúdo, mas talvez de estrutura, de organização, como a redução para apenas um dia de prova.

O que isso significa? Que aqueles que planejavam estudar devem estudar.
Não dá para ficar esperando as decisões do governo acerca de mudanças.
É necessário planejar os estudos, acertar o foco, escolher o material e começar. Tem muitos estudantes que já começaram

prof. Claudio Recco

  • Marcelo Pereira Da Trindade

    Ótimo blog prof° , espero que a mudança seja para privilegie a meritocracia que alguns cursos existem

    • Obrigado Marcelo.
      Vamos acompanhar de perto e ver o que acontecerá.