Coaching e Vestibular

Durante o ano de 2018, aprofundamos o trabalho de Coaching de Pré-vestibular, com resultados positivos e diversas novas experiências.Coaching de Pré Vestibular

Nesse texto não pretendo explicar exatamente o que é “coaching” e suas diferenças com outras formas de ação, que apoiem uma pessoa, nesse caso, o/a estudante, a atingir seus objetivos.

Grande parte dxs estudantxs encara de forma positiva toda a ajuda nesse ano desgastante de pré-vestibular e não se importa muito com os nomes que possam ser utilizados: coaching, mentoria, apoio, ajuda.

Consequentemente entendo que não estejam preocupados em saber se “quem ajuda” tem algum tipo de formação especial para isso.

Num primeiro momento tanto faz o “título” que a pessoa tem.

Na maioria das vezes essa pessoa que ajuda é um professor ou um coordenador de cursinho, com muitos anos de experiência, muitas vezes uma pessoa com a qual a/o estudante se identifica – fato extremamente positivo.

A grande diferença do coaching é que ele não se utiliza de receitas prontas e não se utiliza de métodos generalistas.

Ele estimula o autoconhecimento, para o/a estudante entender seus potenciais e seus desafios, refletir, ter coragem para tomar suas próprias decisões e encontrar seus próprios caminhos.

Parece mais trabalhoso;

Nós sempre temos a percepção de que as receitas prontas são melhores, já embaladas, evitam dissabores, dão menos trabalho. E isso é verdade.

Posto isso, é importante que você decida: quer algo mais simples e fácil ou algo mais completo e eficiente?

Essa é a escolha a ser feita e, nesse caso, não interessa se a pessoa escreveu “Coach” na camiseta que usa, mas qual caminho que ele propõe que você siga.

Mas vamos ao que interessa, pra nós que queremos entender como o coaching contribui para que o/a estudante atinja seu objetivo.

Ação

O Coaching de Pré-vestibular atua em duas frentes ao mesmo tempo:

De um lado, procura entender a/o jovem enquanto estudante, suas características escolares e educacionais, suas habilidades e desafios frente as matérias exigidas nas provas;

Ao mesmo tempo promover a definição do objetivo final – qual curso e universidade desejada – para traçar um planejamento, apoiado em metas semanais, apuradas sistematicamente, para que haja um processo de evolução, que sabemos não ser constante, nem linear.

Por outro lado, entende o/a jovem enquanto indivíduo, seus valores e crenças, suas características pessoais e sociais, com o objetivo de clarificar e potencializar suas competências e habilidades, ao mesmo tempo, minimizar suas inseguranças e ansiedade.

Todos esses procedimentos promovem o aumento do foco e da eficiência.

Nesse momento os problemas dxs jovens são a insegurança, pressão familiar, estresse, indecisão quanto ao curso e “brancos” na hora da prova, entre outras questões.

Percebemos que, muitas vezes, a gestão da emoção é mais importante que ensinar conteúdos.

A vantagem do coaching sobre outros planejamentos já estruturados, como o dos cursinhos, é a visão individual, personalizada, que o/a estudante percebe e desenvolve.

Habilidades

As pessoas são diferentes nas habilidades, nos desafios, nos medos, nos sonhos. O que funciona para um pode não funcionar para outro.

 Um processo de coaching deve promover o autoconhecimento, para que o/a jovem saiba identificar seus pontos fortes e fracos e, com isso, ter um rendimento melhor nos estudos.
Os alunos normalmente contam as horas de estudo, mas é preciso ter qualidade. Alguns, por exemplo, querem dormir menos para estudar mais, focando na quantidade e não na qualidade.

É fundamental definir procedimentos equilibrados entre as atividades de estudo, com elevada exigência de concentração, com os momentos de lazer, descontração e atividades sociais.

Para saber mais entre em contato com o professor Claudio Recco  – 11998862498